Flávio Tolezani revela ter ficado apreensivo com repercussão de seu personagem em O Outro Lado do Paraíso

 Versão para impressão  

-

As cenas do julgamento do delegado Vinícius em O Outro Lado do Paraíso mexeu com as emoções do público e alcançou recordes de audiência da novela. A trama do personagem, que morreu na prisão após confessar seus crimes, tocou em uma ferida muito delicada: a pedofilia. E depois de dar vida a um personagem tão polêmico, o ator Flávio Tolezani falou sobre o papel em entrevista para o Fantástico, exibida no programa do último domingo, dia 25:

- Vinícius era o extremo do cara que não dá valor para o outro. O que mexeu mais comigo foi em sentido da compaixão mesmo sabe? É inaceitável um cara que não tem empatia, que não pensa no outro.

As cenas do julgamento reuniu boa parte do elenco e com cenas que exigiu bastante dos atores:

- Foi o ápice. A gente se preparou demais, foram dois dias de gravação e tudo muito intenso. E o mais importante foi que ali o personagem tira a máscara, tudo é relevado, é o momento que ele mostra quem ele é. O segundo dia eu saí totalmente moído, com dor nas costas. Uma tensão que foi do personagem, naquela situação, mas tem o ator também, que ouvir tudo aquilo ali não é bom, é muito desumano.

Flávio é pai de Ana Clara, de 13 anos de idade, e revelou que conversou com a filha antes da novela, e que o tema foi uma oportunidade de falar sobre o assunto:

- Antes de começar a novela isso foi conversado, ela já tem uma idade boa e uma cabeça ótima. Coloquei para ela pois fiquei preocupado, mas foi ótimo, porque a gente nunca tinha conversado [sobre isso]. Então isso também foi importante.

Depois que as cenas foram ao ar, Walcyr Carrasco, autor da novela, e Mauro Mendonça Filho, o diretor, fizeram um apelo em suas redes sociais para o público não confundir o ator com o personagem. Tolezani também falou sobre o medo de uma repercussão negativa:

- Me deixou apreensivo, mas eu fui acalmando cada vez mais, porque eu vejo como tudo é positivo, o olhar é positivo para o trabalho. É uma recompensa enorme. Ao longo do processo, antes mesmo de revelar tudo, a gente já recebeu mensagens, depoimentos. Pessoas que tomaram coragem de falar. Uma das coisas é mostrar que essa pessoa não está sozinha.

Walcyr também falou na reportagem sobre a responsabilidade social dessa trama:

- Como autor eu me sinto muito realizado, e o Flávio também como ator, por ter dado voz à algo importante para a sociedade brasileira. Nossa função social existe, e é tão bonito a gente cumprir. Eu falo isso quase com lágrimas nos olhos.

 Versão para impressão  
Jornal Folha Vitória
Todos os direitos reservados © 2007-2016